9.3.11

Banzé no Weird West

Sujeito desastrado vai parar em cidadezinha do oeste, conta algumas mentiras fazendo-se passar por um cara durão, vira xerife e, após algumas confusões, acaba mesmo salvando o dia. Alguma novidade nesta trama? Não, nenhuma; ela já foi vista muitas vezes. O título desta resenha por exemplo faz referência a uma delas, no famoso filme de Mel Brooks chamado Blazing Saddles no original. O que torna a animação Rango um produto bem acima da média mesmo utilizando essas mesmas ideias são os vários toques weird que ela esbanja, tanto no visual quanto em seu roteiro. A começar pelo fato de que o tal sujeito desastrado da vez é um camaleão com pendores artísticos para o teatro, dublado  - na versão original (raríssima em nossos cinemas) - por Johnny Depp. Ele e todos os demais personagens são mostrados em caracterizações realísticas que não poupam detalhes sujos nos pelos, penas, escamas e verrugas de ratos, toupeiras, corvos, águias, sapos e cobras entre outros exemplares de uma fauna que em nada lembra bichinhos fofos. A trama também não foi feita apenas para crianças de modo algum, com referências bastante inusitadas do universo cultural (aparece até mesmo, de relance, em uma estrada, o falecido jornalista gonzo Hunther S. Thompson, que foi interpretado por Depp em uma película nada recomendada para os menores).



O diretor Gore Verbinski é o grande responsável pelo resultado final, já que assina ainda colaboração no roteiro e na produção desta animação da Paramount em parceria com a Nickelodeon. Ele já vem de uma longa relação com seu protagonista, uma vez que é também o encarregado da franquia Piratas do Caribe. Tal como naquela trilogia, que misturou comédia e terror com os velhos corsários, Rango igualmente funciona bem por incorporar novos elementos em uma história já conhecida. Mais do que saber que o camaleão vai salvar o dia na cidade de Poeira - um anacrônico lugarejo no deserto de Mojave, quase tão seco quanto o planeta Arrakis de Duna - o que importa mesmo é acompanhar sua jornada e descobrir como ele vai fazer isso. No caminho, ao coro do quarteto de corujas mariachis, muitas perseguições aéreas com morcegos, dignas de Star Wars e de Apocalipse Now; alguns duelos nas ruas poeirentas e várias cavalgadas nas planícies. Além de uma participação mais do que inesperada e bem-vinda à certa altura dos acontecimentos. Imperdível para quem gosta de animação, de westerns e de esquisitices.

9 comentários:

Celly Borges disse...

Massa que o faroeste está em evidência rs.
E em animação, deve ser muito bom.
Sou preguiçosa pra cinema #vergonha mas esse quero ver. ^.^

Romeu Martins disse...

Vale muito a pena ver essa na tela grande porque as texturas de pele dos personagens são simplesmente impressionantes!

Octavio Aragão disse...

Tenho de ver Rango. O único problema é que terei de assistir a cópia dublada por causa do Pedro.

Romeu Martins disse...

O pior é que mesmo a versão dublada é bem complexa para as crianças, já que vários personagens falam com forte sotaque espanhol...

"Rango" não foi mesmo planejado para crianças, na sessão que eu fui, elas ficaram bem inquietas.

bibs disse...

o filme parece ser muito bom! tá passando no cinema aqui *milagre* acho que vou deixar pra assistir lá =D

Romeu Martins disse...

Também não entendi porque começou a passar antes no cinema perto de casa... Mas cavalo dado, tá tudo certo com os dentes dele

Jacques disse...

Ainda não vi, mas dizem que esta animação é muito boa, com um humor que lembra Tiny Toons.
Vale a pena conferir.
Até mais.

Romeu Martins disse...

É muito bom, sim, recomendo

Leonardo Peixoto disse...

Como eu queria poder ir ao cinema mais vezes , para ver obras como essa na tela grande .